quarta-feira, 27 de setembro de 2017

A Deco Proteste e os seus testes

EDIT: Na sequência de ter sido contactada pela colega que realizou este estudo, edito aqui algumas informações que ela me forneceu e, facto, estavam inicialmente incorrectas. Escrevi este artigo numa noite, já tarde depois de um dia de trabalho e fiz uma pequena pesquisa bibliográfica que não foi, de todo tão extensa como gostaria. Assim, deixo acrescentos de informação, pois não quero incorrecções no que escrevo.

Começo por dizer algumas coisas importantes porque prevejo desde já um apedrejamento público: factos e opiniões não são a mesma coisa. Quando cito legislação ou digo que isto ou aquilo é verdade, não o digo porque acho que é verdade, digo-o sustentado em prova científica e exposta na lei. Ao longo dos anos, neste blog, tenho tido imensas pessoas com dificuldade em discernir as diferenças entre estes dois conceitos, por incrível que pareça. Adicionalmente, quero acrescentar que tenho conhecimento para comentar esta matéria de forma objectiva e informada pois sou mestre em Ciências Farmacêuticas e Pós-Graduada em Dermofarmácia e Cosmética, tendo trabalhado 2 anos na indústria cosmética, dos quais 6 meses foram passados como avaliadora de segurança de produtos cosméticos.

Ora bem, ontem a Deco Proteste publicou esta comparação de batons. Giro, giro não é?

Comecemos do início. A Deco Proteste começa o seu vídeo de ilustrações por dizer que "a Comissão Europeia estima mesmo que cada pessoa aplica 57 mg de batom hidratante diariamente".

O erro começa aqui, na medida em que há uma assunção de ingestão total de um batom, que basta pensar um pouco e é absolutamente irrealista. No entanto, na legislação europeia, a abordagem aos cosméticos é sempre de worst case scenario, ou seja, prevê-se o pior dos piores. Por isso mesmo, é assumida uma ingestão de 100% destas 0,057g.

Depois, o critério usado para estas aferições não foi a lei dos cosméticos, mas sim a lei alimentar! Pasmem-se, estes compostos MOSH e POSH de que tanto falam tão pomposamente, mais não são do que gorduras trans-saturadas derivadas do petróleo (e já agora, senhores, trans- neste caso, escreve-se sempre com itálico, sim?). Estes 10% de que falam são então para alimentos, ingeridos a 100% e que atravessam tooooodo o nosso sistema digestivo.

Ao contrário do que escrevi acima, MOSH são de facto mineral oil saturated  hydrocarbons (hidrocarbonetos saturados derivados de óleo mineral) que, por acaso, até têm uma estrutura -trans, mas não são o que disse que eram, pois fui ver a estrutura molecular e tirei conclusões precipitadas de alguém que já não vê química orgânica há alguns anos. Os MOAH são mineral oil aromatic hydrocarbons. Já os POSH (polyolephin oligomeric saturated hydrocarbons)  só são doseados  habitualmente em alimentos e são analiticamente impossíveis de distinguir dos MOSH pela sua estrutura semelhante. Consequentemente, nesta análise, não é possível dizer se existiam MOSH ou POSH.

Agora, por favor, não confundam as duas entidades. Enquanto nos EUA temos a FDA que mistura comida e fármacos e cosmética, na Europa, as regras são mais apertadas na maioria das situações, sendo que a cosmética está então associada aos medicamentos e, consequentemente associada ao Infarmed e não ao Ministério da Agricultura, também me pareceu que existiu confusão a esse nível, pois citaram algures o ministério da agricultura.

Aconselho a leitura deste Regulamento Europeu que é o vigente acerca da cosmética, em especial a parte dos anexos que fala das substâncias proíbidas! Neste caso, estes hidrocarbonetos não se encontram nas proíbições pela lei, mas sim em recomendações guidelines europeias, não sendo proíbidos, mas sim desaconselhados, coisas bem diferentes e esta distinção não me pareceu feita.

Adoro particularmente que só alguns batons sejam referidos quando outros, do mesmo grupo e que certamente, têm as mesmas matérias-primas de base, se safaram.

Depois de analisar a bibliografia onde se baseou este estudo, tiro duas conclusões: claramente, um dos fornecedores europeus de óleo mineral e vaselina, devia analisar melhor os seus lotes e a segunda conclusão é que, na realidade, isto não representa uma verdadeira ameaça para a saúde, pois as bases com as quais são feitos estes cálculos, são de facto o extremo contemplado, pelas razões que referi acima.

Gostava mesmo que a Deco começasse a disponibilizar os métodos utilizados para os seus estudos, pois, sem estes, não é possível compreender se o estudo é ou não credível. E isto, não é de todo suificiente, pois uma descrição dos métodos inclui o método utilizado, o equipamento e o intervalo de confiança dos mesmos.

Espero ter esclarecido e não confundido ainda mais.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Fenty Beauty e a importância dos vários pantones das pessoas


Não sou fã d Rihanna artisticamente, começo por dizer isto, sem qualquer intenção de ofender alguém. Não amei também as peças da colaboração Fenty x Puma porque simplesmente não têm nada a ver com o meu estilo pessoal.

Por isso, foi com grande desinteresse que recebi a Fenty Beauty. No entanto, seria difícil ficar de fora em relação ao entusiasmo deste lançamento e, como é natural, lá fui eu ver do que se trata. Para minha surpresa, comecei por amar o design das embalagens. Minimalista e interessante, para a linha de preço média é algo diferente e refrescante.

Depois, fiquei mesmo de queixo caído: 40 cores de base no lançamento. Nunca nenhuma marca alguma vez o fez e achei extraordinário da parte da Rihanna preocupar-se, não só com os seus problemas e do tom de pele dela, mas com os de toda a gente, ao contrário de tantas outras celebridades antes dela e de todas as cores.

Subitamente, estou com vontade de comprar tudo, mas o primer, o iluminador em pó e algum dos sticks terão prioridade.

Sei que isto é daquelas coisas parvas vinda de alguém branca como a cal, mas existe uma série de pessoas que não conseguia comprar base na Sephora por todo o mundo que, finalmente, agora pode. E as marcas que não se ponham com a história das minorias, minoria é cada um de nós que é diferente em si mesmo, não existem minorias, toda a gente tem direito a ter um produto para si, do mais claro, ao mais escuro.

Se, como eu, estão cheias de curiosidade de meter a mãozinha nos produtos, a maneira mais fácil será talvez mandando vir da Sephora francesa que envia para cá por 12€.

Ide e espalhai base irmãos e irmãs!

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Wishlist Setembro


E chegou Setembro, o melhor mês do ano! Será porque faço anos em Setembro? Não, nunca seria parcial dessa forma! (eheh)

Como eu nasci e esse acontecimento marcou a Humanidade numa escala só comparável à do Natal, acho que seria a ocasião perfeita para estourar um ordenado em skincare porque isso é só razoável. Ahah, brincadeirinha, preciso de comer!

Assim, fico-me pelos desejos que poderão (ou não) vir a ser adquiridos durante um espaço de tempo razoável e quando terminar tantas e tantas coisas que tenho lá em casa. Este ano não existe nem maquilhagem, nem perfumes, pois fiz uma análise recentemente às minhas colecções e cheguei à conclusão que tenho maquilhagem e perfume suficiente para todas as pessoas das regiões autónomas portuguesas. Ando a purgar alguma dela porque, no final do dia, só tenho mesmo uma cara, enquanto cimento amizades baseadas no interesse pela minha maquilhagem (eu sei que sim, não mintam!). Já para barrar na cara, preciso e sempre precisarei de coisas, pelo que vamos aproveitar que a minha pele decidiu deixar de entrar em erupção dia sim dia sim para ir à loucura e voltar a irritá-la.

Em primeiro lugar temos a máscara Honey Potion da Farmacy, uma marca cujo nome é genial (farm + pharmacy porra, quem me dera ter sido eu a ter tido esta ideia!) que diz que acalma e hidrata, que são duas palavras que me vendem quase tudo.

Depois, o Trial Kit da mesma Farmacy que tem dois hidratantes mini, um sérum mini e um pó esfoliante, que me permitiria ver se a minha pele se ia dar bem com a marca sem um compromi$$o total.

Depois, o Tundra Chaga da Blithe, cujo nome só me faz lembrar o início desta música e, rio-me sempre imenso. Parvoíces à parte, este creme em sérum é extremamente hidratante e anti-oxidante e ajuda na firmeza, que afinal, a idade diz que avança e a pessoa precisa de ajudas extra nesta altura da vida.

Outra marca que também envolve quintas é a Thank You Farmer, esta já vem, no entanto, do Oriente. tenho a mira apontada a este Sun Project Shimmer Sun Essence SPF50 que é um SPF que é como um primer iluminador. Coraçõeeees e preciso já para ontem.

Depois, ando a namorar a Tata Harper desde sempre, embora considere os preços ridículos. Gostava, no entanto, de experimentar um kit da marca e ver se a minha pele se dá bem com os produtos, também.

Por fim, o Emma Hardie Cleansing Balm é algo que já tenho na mira há séculos. Embora não seja minimamente um investimento que vou fazer para já, porque neste momento tenho demasiados produtos de limpeza em casa por abrir, quero mesmo tê-lo na vida.

E vocês, para onde está a pender a vossa carteira neste mês?

domingo, 10 de setembro de 2017

Video - HUGE Makeup Haul - French Pharmacy, NYC, Space NK, Colourpop...



Products mentioned: - Physiogel A.I. cream; - Nuxe Rêve de miel lip balm: - Dermophil Indien lip balm; - Etiaxil deódorant; - Dr Jart Dermaclear mask kit; - Dr Jart Ceramidin moisturizer; - By Terry rouge expert click stick in "02"; - Bite Multi Stick "lotus"; - Glossier balm dot com "mint"; - Ko Gen Do Aqua Foundation; - Clé de Peau concealer; - By Terry Sun Designer Palette; - Colourpop lippiestix "bootie"; - Colourpop supershock shadow "mixed tape"; - Colourpop supershock shadow "so quiche"; - Colourpop supershock shadow "bae"

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Review - Avon Mark Spectralash Mascara



Aqui há tempos, a Avon convidou-me para o lançamento da sua mais recente linha, a Mark. Esta gama de maquilhagem da Avon pretende ser jovem e divertida, com opções de cor para experimentar e tornar  maquilhagem divertida.

Dos vários produtos que testei desta linha, destacam-se sem dúvida dois: a Spectralash Mascara* e as sombras em creme (a discutir noutros "carnavais"). A Spectralash Mascara* já existia na cartela de produtos da Avon, inserida noutra linha e com outra roupagem. Agora, com o novo re-branding da coisa, ganhou uma embalagem a preto e branco e a assinatura Mark.

Esta máscara tem a particularidade de ser regulável, ou seja, ali em baixo podem oservar uma roda branca com um "1, 2, 3" que define portanto a intensidade do resultado que poderão ter. Este mecanismo não é exclusivo ou novo, mas basicamente o que faz é regular a quantidade de produto que vem na escova (creio que neste caso é por ir alargando o depósito em que a escova passa). Quanto mais máscara vier agarrada à escova, mais volume terão as pestanas. Pessoalmente, prefiro a posição 1 por ser possível ir construindo o resultado e não acabar com uma só pestana.

Gosto muito do resultado final, acabando com pestanas separadas, mas volumosas. Pessoalmente e como já devem ter reparado por aqui, eu tenho mão pesada no que toca a rímel, por isso, gosto mesmo do efeito desta. Vem agora a desvantagem e onde as minhas máscaras de pestanas favoritas marcam pontos ao contrário desta: ao final do dia.

Esta não é uma máscara à prova de água mas, na altura da remoção, parece!!! Quase todas as máscaras que costumo usar são fáceis de remover com água micelar mas esta, para além da textura, a quantidade de pigmento preto que tem, faz com que pareça que temos um smokey eye preto todos os dias, na hora de remover. Ou seja, é muito difícil de remover e envolve múltiplos discos de algodão e mais paciência do que eu costumo ter disponível por essa hora do dia. Mesmo com óleo desmaquilhante ou desmaquilhante bifásico, a tarefa não fica muito mais facilitada...

É realmente uma pena esta limitação, pois o efeito final é magnífico e não esfarela ao longo do dia. A melhor notícia é que esta máscara custa normalmente 14€ (embora esteja frequentemente em promoção) e deixa as pestanas fantásticas, quanto ao resto... Bom, depende da paciência de cada um!

3/5 - Razoável

*Produto gentilmente cedido pela Avon para review neste blog.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Vídeo - Favoritos de Junho e Julho 2017



Produtos mencionados:
- Nuxe Sun Eau Délicieuse*;
- By Terry Sun Designer Palette;
- By Terry Terrybly Densiliss;
- Avon Mark Spectralash*;
- Nars Soft matte lip pencil "dolce vita";
- Uriage Roséliane Creme Antirougeurs*.
- Clarins palette 4 colour summer 2017 collection*.

* Produtos oferecidos pelas marcas

sábado, 15 de julho de 2017

Vídeo - Maquilhagem para crises de Rosácea



Produtos mencionados:
- Giorgio Armani Luminous Silk;
- The beauty blender;
- Zoeva Concealer Spectrum*;
- Zoeva Brush 142 Concealer Buffer*;
- By Terry Terribly Denssiliss Concealer;
- Bobbi Brown Intensive Skin Serum Concealer;
- MAC Studio Fix Powder;
- Kevyn Aucoin Sculpting powder medium;
- Max Factor Creme Puff Blush;
- Avon Mark Batom "magenta flash"*.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Rosácea - Tratamentos e Cuidados a Ter


Tal como mencionei no post anterior, a rosácea não tem cura. No entanto, existem vários fármacos utilizados para o controlo da síndrome e das complicações associadas.

  •  Tetraciclinas e doxiciclina

São anti-bióticos usados recorrentemente no tratamento da rosácea. São a primeira linha de terapêutica na maioria dos casos. No entanto e, ao contrário do que se possa pensar de forma intuitiva, não são aconselhados pela sua acção anti-bacteriana. Na verdade, na rosácea estes anti-bióticos são usados em concentrações sub-terapêuticas a nível microbiano pela sua acção vasoconstritora. A terapêutica com estes anti-bióticos tem sempre a duração de, pelo menos, um mês, sendo o normal entre 3 e 6 para este síndrome. É um medicamento sujeito a receita médica.

  • Soolantra

É uma pomada comercializada pela Galderma (que, já agora, tem o monopólio do mercado da rosácea) cujo activo é a ivermectina, um fármaco usado pelas suas propriedades anti-parasitárias e anti-inflamatórias. Apesar disto, o mecanismo de actuação deste fármaco na rosácea é desconhecido. Este creme é menos agressivo que outros como o Mirvaso ou o Metroderme, pelo menos foi o ângulo de venda durante o lançamento, pois as outras duas pomadas podem ser irritantes. É um medicamento sujeito a receita médica.

  • Metronidazol

Nomes comerciais como Metroderme ou Rosiced, este é um anti-fúngico que também contribui para a vasoconstrição. Pode ser irritante em alguns casos e em algumas pessoas, mas é das primeiras linhas de tratamento e dos medicamentos mais prescritos, quer pelo preço mais acessível quando comparado com os outros, quer por ser o único que é comparticipado (pessoas mais actualizadas que eu nas comparticipações que me corrijam se estiver a meter água).

  • Ácido Azelaico

Já foi aqui falado na temática das manchas, e na rosácea tem precisamente essa função de reduzir as manchas e marcas causadas pelas lesões na pele, enquanto tem um ligeiro efeito vasoconstritor. O nome comercial da pomada é agora Skinoren. Pode também ser irritante em muitos casos, pelo que deve ser usada com cautela

  • Mirvaso

Ahh o Mirvaso... O nome do activo é brimonidina e, antes de ser registado pela Galderma para uso tópico na rosácea, já era usado há muitos anos em colírios para o tratamento do glaucoma. É um vasoconstritor potentíssimo, tão potente que, no meu caso, a pele chega a ficar acinzentada na zona de aplicação (com cor de morte mesmo) devido ao aporte sanguíneo ser próximo de zero. Em teoria, o Mirvaso chegou à Terra para resolver todos os nossos problemas. Na prática, não é bem assim. Na verdade, o primeiro problema desta pomada começa no preço (qualquer coisa como 50€) e acaba no efeito de rebound que a pele tem depois da sua aplicação. Ou seja, ele contrai tão intensamente os vasos sanguíneos que, quando o efeito passa (ao final de umas 3/4h, comigo) a circulação regressa em força e grande desespero, cumprindo a sua função. No final do dia, pessoalmente agrava-me o problema na maioria dos casos, embora lhe recorra quando estou mesmo desesperada. Segundo o que vários dermatologistas me disseram, este produto é muito mal tolerado na maioria das pessoas pelas mesmas razões que eu o tolero mal. Não aconselho o investimento.

  • Laser IPL

O laser IPL (intense pulsed light) já vos é, provavelmente, familiar pois é usado na depilação definitiva também. Durante algum tempo achei que esta seria a solução para uma vida feliz. No entanto, depressa descobri algo crítico: embora este laser seja extremamente eficiente no tratamento, ele trata apenas um sinal, as telangiectasias (derrames), nada mais e nada menos. É também impossível realizar este tratamento com eritema activo, pois podem ocorrer queimaduras. Para quem tem apenas derrames pelo rosto, é uma excelente alternativa a fazer o mais depressa possível.

  • Outras opções terapêuticas

Existem outras opções terapêuticas "colaterais" que são também consideradas. Alguns médicos recomendam a utilização de ansiolíticos para minorar a ansiedade e, consequentemente a rosácea. Pesquisei também muito sobre o assunto e existem também pessoas a afirmar que o problema terá origem no fígado (meramente por intuição, pelo que me parece) e, portanto, uma alimentação regrada e saudável pode fazer a diferença. Pessoalmente adorei ler um case study muito giro numa senhora que aboliu lacticínios e passou a meditar e que, no caso dela contribuiu para um controlo da doença. Pessoalmente, não bebo leite regularmente nunca (como derivados maioritariamente), experimentei e não vi grandes alterações, mas posso-vos dizer que a meditação ajuda bastante, por mais que pareça uma coisa idiota e não plausível. Aconselho mesmo a darem uma leitura no estudo e a experimentar, pode fazer diferença!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Rosacea - O que é afinal? / What is it?


O que é a Rosácea, afinal?

A rosácea é um síndrome cutâneo crónico e incurável que se manifesta maioritariamente na zona central do rosto (bochechas, nariz e testa central), caracterizada por remissões e exacerbações repentinas de eritema activo. É considerada a nível clínico como um síndrome que apresenta sinais como vermelhidão, eritema (borbulhinhas que formam uma textura que podem ou não ter líquido), telangectasias (veias ou capilares em forma de "aranha"), edema (acumulação de líquidos), pápulas, pústulas, lesões oculares e rinofima (espessamento descontrolado da pele na região do nariz). É raro existirem casos com todos estes sinais, embora a maioria apresente sempre alguns. Manifesta-se também frequentemente como conjuntivite rosácea que, acreditem, é algo que não se deseja nem ao pior inimigo e é extremamente difícil de diagnosticar e tratar.

A rosácea pode aparecer em homens ou mulheres e, embora possa aparecer em qualquer idade, é mais comum que apareça após os 30 anos. É também mais comum em pessoas com a pele clara (fotótipos I e II, maioritariamente), embora existam casos entre asiáticos e africanos relatados e diagnosticados. É uma doença bastante comum no mundo inteiro.

Mais fácil do que dizer o que é a rosácea, é talvez dizer aquilo que a rosácea não é: a rosácea não é uma doença auto-imune, a rosácea não é uma alergia, a rosácea não é causada por nada que possa ter sido feito à pele porque, na verdade, mais do que uma doença cutânea, é uma doença vascular! O que se passa nesta doença é uma dilatação dos vasos, como em qualquer pessoa saudável, mas que não conseguem contrair de novo, levando a uma inflamação local e à libertação de linfa, formando o edema (inchaço).

Habitualmente, os sintomas agravam imensamente em diferenças térmicas súbitas, tanto de estação como de ambiente. Alegadamente, café e chá agravarão também a síndrome (no meu caso não afecta) e o consumo de álcool tem efeitos definitivamente agravantes. Adicionalmente, caso sofram desta doença, é boa ideia nunca aproximar do rosto objectos ou água demasiado frios ou quentes, incluindo água demasiado quente ou gelo. A fricção também é imensamente desaconselhada durante os períodos de crise. Sabe-se também que a ansiedade tem um papel muito importante na rosácea, apenas não se sabe bem qual nem como se interligam.

Apesar de ser uma doença comum, sabe-se mesmo muito pouco sobre ela, com excepção do que referi acima. O diagnóstico é extremamente difícil por não existirem marcadores e por, nalguns casos, poder ser confundida com acne (que é mal diagnosticado frequentemente nestes casos), até porque o tipo de rosácea que se confunde com a acne apresenta melhoras com a isotretinoína. Pode ainda ser confundida com lupus cutâneo, que ainda assim, venha a rosácea, para ser franca. Assim, o diagnóstico é feito com base na descrição dos sinais e sintomas que o doente descreve ao médico.

Além da vermelhidão característica e que virá à cabeça de qualquer pessoa quando se fala de rosácea, estão também muitas vezes presentes lesões pruriginosas (borbulhas com pus), iguais às da acne comum, mas neste caso trata-se de acne rosácea. A diferença entre ambas é que a secreção (vulgo pus) da acne rosácea é estéril, enquanto a da acne vulgar tem conteúdo bacteriano.

Adicionalmente, a rosácea é agravada por um comensal (em relação simbiótica connosco) que temos na pele que se chama demodex e habita normalmente junto dos folículos pilosos e vive simpaticamente connosco toda a vida sem nos fazer mal nenhum. Na rosácea, a população deste parasita estará alegadamente descontrolada, contribuindo para a manutenção da inflamação constante.

Neste momento, existem alguns subtipos definidos, mas isso é algo que eu própria ainda não percebi a 100% e creio que terá a ver com a "escola" que os classificou, pois já li várias versões. Vou-me ficar pelos factos e pelo que sei com toda a certeza.

Factores que agravam a rosácea:

  • Exposição solar
  • Alguns tipos de comida e bebida
  • Cuidados de pele agressivos (ácidos e produtos abrasivos)
  • Predisposição genética
  • Tempo e temperatura
  • Exercício físico
  • Stress
  • Demodex (comensal)

Quero ainda ressalvar que nada disto é regular e varia de pessoa para pessoa. São inúmeros os casos de uma única crise pontual na vida que foi controlada e nunca mais voltou a ocorrer e existem também tantas outras pessoas em quem o tratamento não resultou.

E em resposta à pergunta mais feita ao google sobre a rosácea: não, a rosácea não tem cura. Não acreditem nos youtubers que dizem que a curaram com óleo de côco e macumbas. Tiveram sorte e foi só isso.

No próximo post iremos falar de tratamentos e cuidados a ter.